segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Vida e trabalho, vida no trabalho e, o trabalho da vida!



Com frequência digo e repito, que nesta vida, nada acontece por acaso. Não foi por acaso que vim parar aqui, em Angola...



Aqui tenho tido a oportunidade de trabalhar em um projeto diferente dos que vinha atuando nos últimos tempos, e com esta experiência, tenho feitas várias reflexões sobre vida e trabalho. Para mim, trabalho e vida, sempre estiveram co-relacionados, e foi desta maneira que aprendi e cheguei até aqui. Foi no trabalho (optando pela mesma atividade do pai e da mãe) que encontrei a minha identidade e me realizei como pessoa.  Aos 15 anos experimentei a minha primeira atividade profissional (Na Escola Pimentinha, no Barbalho/ Salvador) e, de lá, prá cá, não parei... sempre na área de educação... de professora de dança à professora de educação infantil e ensino fundamental, até as atividades de consultoria e assessoria pedagógica em todos os níveis da Educação Básica, atuando também, como coordenadora, por um tempo significativo...Enfim, sempre com o foco na formação de pessoas. Estes contexto e realidade, para mim, estão relacionados a uma busca permanente de todos os homens, a ética da condição humana. Esta ética eu procuro incansavelmente. Busca ela, para fortalecer a minha identidade, tanto pessoal e profissional, até as implicações políticas e ideológicas da vida no trabalho e o trabalho da vida (e que trabalho!!!!), perpassando pelas escolhas que faço e sempre que possível, comunico (falo demais!!!), das finalidades do agir humano, sobre o próprio sentido da existência individual (reconhecendo as minhas fragilidades e contradições) e coletiva. Sinto-me privilegiada por ter participado e continuar participando, de grupos sociais especiais, começando pela família e por todos os espaços e ambientes em que atuei e vivi.
Para mim, esta é a ética procurada, aquela que diz respeito à decisão, que cabe a cada pessoa e a cada sociedade, de agir, expressar seu ponto de vista, escolher e instituir em sua própria existência os princípios e os valores que devem guiar as nossas relações consigo mesma, com o mundo, com o entorno, com os outros, submetendo-os sempre, a permanentes questionamentos, muitos questionamentos... Vivo cultivando a dúvida!!!  É por isso, que continuo apaixonada pela vida, pelo trabalho, pela vida no trabalho e o trabalho da VIDA.

"Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las...

Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas"!

Carlos Drummond de Andrade


2 comentários:

Eduardo disse...

Liloca! Você continua a nos emocionar fortemente com palavras tão reflexivas e bonitas sobre a vida! Parabéns, mana! Este seu olhar apaixonado deixa tudo mais belo e encantador... Como você tem nos ensinado e nos feito pensar sobre questões tão singulares e importantes mas que a rotina do nosso dia-a-dia acaba engolindo... Te amamos muito!!! Bjo grande, JU!

laércia disse...

Lila:
Hoje, agora à tarde resolvi tirar um pouco do meu tempo e matar a saudade dos familiares e vc foi a primeira da lista.E agora aqui frente ao seu diário sinto-me encantada com as belas lições de vida que vc nos trasmite e com as suas inquietações sobre a educação, a vida e o tralalho.Vc é um ser humano excepcional!!!
Deus seja sempre seu guia e protetor.
Beijos
Tia Laércia