terça-feira, 17 de novembro de 2009

Cultura, mídia e identidade

“Eu falo mal é do lixo cultural que querem nos apresentar como modelo, como parâmetro. Querem a uniformização da cultura e querem que eu ache que uniformização da cultura é universalização da cultura. Não é.”

Ariano Suassuana


Angola é uma nação fascinante que tem me conquistado a cada dia, com a beleza da sua cultura, do seu povo, da sua luta, das raízes, das histórias construídas ao longo de um tempo perene, o berço da humanidade. Ultimamente tenho me questionado profundamente sobre o significado da globalização, e da influência das mídias importadas neste país. Catarina (minha professora, que nas horas vagas, cuida da nossa casa) é um termômetro para esta minha inquietação. As novelas brasileiras, começam a passar aqui às 18 horas e vão até às 22:00,  são transmitidas ininterruptamente... É preocupante, nos deparamos com uma realidade como esta, com uma “certa” inversão de valores. Catarina que sempre pára em frente da TV quando esta está ligada, faz comentários que denunciam o impacto perverso desta mídia da formação das pessoas. Outro dia nos disse que admira as mulheres brasileiras que são arrumadas, com roupas finas, cheirosas, com os cabelos bem cuidados, bonitos!!!! É demais!
Será que como muitos, Catarina ainda não está acostumada a consumir a própria cultura?
Nesta hora, nós sempre a convidamos para trocar algumas ideias conosco...
Esta semana tivemos uma linda surpresa... ela nos chegou com um novo lindo visual! Quanta festa e alegria!
Ainda há esperança... Ah... esta esperança vem com o cultivo de uma cultura, tradição, folclore que ainda valorizam suas raízes. Aproveitamos para pedir a ela que cozinhe algo do seu país para a gente.... Esse dia ainda vai acontecer. Esperem! Vou vestir a minha roupa africana para viver este momento!



Um comentário:

karlo disse...

eu como natural de luanda e viajando pelo mundo

bem sei , o quanto a minha terra tem para oferecer;

ainda bem que gostou


fast-foode.blogspot.com